Clicky

Selecione a cidade
4020-9734

Notícias


Psicologia: Conheça cinco áreas diferentes para atuar na profissão

Área clínica é a mais procurada, mas existem outras opções para seguir na carreira
Por: Katarina Bandeira 01/11/2017 - 19:53 - Atualizado em: 03/11/2017 - 09:20
Alunos que não se identificam com a área clínica podem seguir carreiras distintas dentro da profissão. Foto: Freepik
Alunos que não se identificam com a área clínica podem seguir carreiras distintas dentro da profissão. Foto: Freepik

Quem procura uma graduação em psicologia encontra, ao menos no começo, alguns questionamentos quanto a área que irá seguir ao final do curso. Enquanto muitos sonham com a visão clássica do profissional, que auxilia pessoas a conseguir superar suas angústias, encontrando soluções para conflitos pessoais ou interpessoais, uma outra parcela de interessados não consegue se imaginar atendendo diretamente pacientes em um consultório. Para você que gosta do curso, mas acredita que a área clínica não é muito a sua praia, separamos cinco opções para seguir longe do divã:

Organizacional e do trabalho

Trabalhar em empresas públicas ou privadas como parte importante no recrutamento e manutenção de funcionários é uma das vertentes que pode ser seguida pelo profissional. Para o psicólogo e professor da UNG, Luiz Fernando Bacchereti, a área pode ajudar tanto no desenvolvimento pessoal do trabalhador, quanto da empresa. “Não adianta só avaliar o candidato na entrada é preciso entender o que ele será dentro da organização”, afirma.

Psicologia educacional

Para quem prefere trabalhar com crianças e jovens em idade escolar, a psicologia educacional pode ser uma opção. Na escola o psicólogo vai atuar como mediador institucional. Será papel do profissional ajudar pais, professores e alunos a solucionar problemas de aprendizagem. “Às vezes as pessoas confundem achando o papel do psicólogo será encontrar crianças tidas como problema. Mas não, o profissional tem que entender a organização escolar como um todo. Envolver-se com a parte administrativa, docente e discente também. Trabalha como agente facilitador dessas pessoas”, afirma o professor.

Psicologia criminal ou social

Apesar do nome, a psicologia criminal está longe de envolver-se na condenação de pessoas. Ela trabalha para a reabilitação e integração social de detentos e pessoas em estado de reclusão social. “Aqui pode ser feita uma avaliação do paciente que já está detido para saber se ele estar apto a voltar a conviver em sociedade”, explica Luiz. “Também é feito um laudo a respeito da personalidade do avaliado, que entra como um dos processos da perícia criminológica. Decidindo assim se será concedido o benefício”, afirma.

Hospitalar

Oferecer apoio tanto para doentes quanto para familiares de enfermos é um dos trabalhos dos profissionais que atuam em hospitais. Aqui o psicólogo opera ao lado de outros profissionais, como médicos e enfermeiros, para fortalecer a recuperação tanto da saúde física do paciente, quanto mental.

Psicologia esportiva

E não é apenas quem encontra-se com alguma enfermidade aparente que precisa do acompanhamento do bacharel de psicologia. No viés esportivo o profissional orienta e prepara emocionalmente atletas para atividades esportivas e competições. Além disso, ele também cuida para que a harmonia entre membros de equipes e times esteja sempre alta, promovendo o bem-estar no ambiente.

 

Você já pensou em ser psicólogo? Qual a área que mais te interessou? Conta para a gente nos comentários!

 

Comentários

Notícias


Entenda como funciona a monitoria para os cursos de exatas

Atividade extracurricular conta pontos para quem deseja seguir carreira acadêmica
Por: Katarina Bandeira 23/10/2017 - 09:47 - Atualizado em: 26/10/2017 - 16:00

Quem pensa em seguir a carreira acadêmica, seja lecionando ou em áreas de pesquisa, sabe que ter atividades extracurriculares é de suma importância. Uma opção que agrega não apenas peso ao currículo, mas também ajuda a aprimorar os conhecimentos do estudante, pode ser o trabalho de monitoria. Na área de exatas os monitores são bastante solicitados, principalmente por conta das dificuldades iniciais dos alunos com disciplinas que envolve cálculos ou códigos de programação complexos e que não faziam parte do dia a dia antes da graduação.

Graduado em Sistemas de Informação, Pedro Silva aponta pontos positivos na atividade, não apenas para quem vira monitor, mas também para quem é beneficiado pela monitoria. “Tem gente que tem vergonha de perguntar em sala de aula e o monitor acaba sendo uma solução mais acessível por ser um outro aluno. O papel do monitor é justamente ajudar nessas situações. Ele é uma pessoa que passou pela disciplina, que teoricamente tem afinidade com aquele assunto e que vai ajudar outros estudantes a passar pelo mesmo”, explica.

O que faz um monitor de exatas?

Distribuir exercícios e auxiliar na resolução das questões passadas pelos professores são algumas das funções de quem opta por trabalhar na monitoria. Tirar dúvidas que não conseguiram ser solucionadas em sala de aula também. Geralmente quem passa em uma seleção de monitoria tem que reservar um tempo para atender os alunos sem atrapalhar as próprias atividades durante o curso. Seja chegando um pouco antes das aulas começarem, ficando até um pouco mais tarde ou disponibilizando contatos como telefone e e-mail é preciso estar disponível para o trabalho.

“No caso de exatas que há muitas disciplinas como cálculo, por exemplo, o monitor pode criar uma videoaula rápida para passar com os alunos. Eu acho que o meio digital pode sim ser uma solução viável para a monitoria, usando recursos como vídeo, áudio e fotos para enviar para os alunos. Na área de Sistemas tem muitos exercícios que podem se aplicar a essas plataformas”, sugere Pedro.

Quais os critérios para virar monitor

Para virar monitor é preciso que abra um edital para alguma disciplina. Geralmente os assuntos que tem a ver com matemática, lógica ou que envolvem projetos práticos pedem um acompanhamento mais específico. Porém, não basta se candidatar. É preciso já ter passado pela disciplina com a nota exemplar. Quanto maior a pontuação obtida na disciplina maiores são as chances do aluno conquistar a vaga. Respondendo a esse critério o estudante faz uma prova que mede se ele possui o conhecimento necessário para passar a disciplina. O resultado é dado de acordo com o peso.

Mesmo após preencher todos estes requisitos o aluno ainda deve se preparar para algumas dificuldades.“A minha experiência como monitor foi um pouco frustrante, no início. Muitos alunos não chegavam, eu preparava material e fazia exercícios, mas ninguém ia. Com o tempo eu consegui ajustar alguns horários para atender melhor as necessidades dos estudantes. Quem tinha alguma dúvida sempre falava comigo”, conta Pedro, que durante a própria graduação também participou de monitorias.

Currículo Lattes

Além do prazer de ajudar os futuros colegas de profissão, a atividade de monitoria pode trazer muitos benefícios profissionais. “Você ganha certificado com as horas que você trabalhou como monitor e isso conta bastante em seleções para pós-graduações, EAD e até de professor. Algumas seleções pontuam quem se dedicou a este tipo de atividade por identificar no perfil do candidato uma pessoa que gosta de ajudar, que tem facilidade em ensinar e que sabe trabalhar com outras pessoas”, pontua.

E você, já teve alguma experiência com monitoria? Conta para a gente nos comentários!

 

Comentários

Notícias


5 Inovações inteligentes que facilitam a vida moderna

No dia Nacional da Inovação, 19 de outubro, veja algumas das melhores soluções para o dia dia
Por: Bruna Sarga 18/10/2017 - 17:33 - Atualizado em: 23/10/2017 - 15:56
5 Inovações inteligentes que facilitam a vida moderna
5 Inovações inteligentes que facilitam a vida moderna
Inovação é criar algo novo. Mas também ocorre quando há uma mudança em um produto, ideia ou serviço que os tornem mais eficazes. Das ferramentas antigas aos últimos avanços digitais, a tecnologia transforma as civilizações porque concebe novos negócios e mercados, novas redes de comunicações, fornece emprego e renda, conforto, prazer, educação, etc.
 
Desse modo, veja 5 concepções inovadoras que mudaram o mundo. 
 

1- Buscadores de Pesquisa 

 
A internet é novinha. Sua expansão no Brasil começou depois do ano 2000 e muito do que fazemos agora é diferente devido aos avanços tecnológicos que nos permite entrar na Web e estar instantaneamente conectados ao resto do mundo. Por falar em instantaneidade… Houve um tempo em que a única maneira de encontrar uma informação era abrindo uma enciclopédia. Acredite, isso demorava. 
 
Atualmente, através dos motores de busca, podemos encontrar informações sobre qualquer assunto de forma imediata. 
 
 
E quando encontramos a informação... 
 
 

2 - Livros Digitais 

Ignorando a resistência natural à mudança e o prazer de sentir cheiro de livro novo, não se pode negar que o processo de leitura mudou com o surgimento da tecnologia digital. Apesar dos boatos da morte dos livros físicos serem um tanto quanto exagerados, e-books tem várias vantagens como, por exemplo, portabilidade, possibilidade de aumentar o tamanho da fonte, a retroiluminação e principalmente a economia de espaço. 
 
 
Quem lê mais de dois livros ao mesmo tempo, sabe do que estamos falando. 
 

3 - APPs de locomoção 

 
Agora temos vários aplicativos ou serviços disponíveis na internet que facilitam a vida de quem precisa  de um transporte ou de ajuda para se locomover pela cidade. 
 
 
Uber, EasyTaxi, 99Taxis, etc. fornecem serviços de transportes privados. Além da segurança, em razão de geralmente recebermos os dados do veículo no celular, esses aplicativos informam o valor a ser pago pela corrida antes mesmo de confirmá-la. Aceitam várias formas de pagamento e enviam o carro mais próximo da sua localização. 
 
Waze, Fuelzee, etc. traçam rotas mais precisas para quem dirige. Indicam os caminhos menos problemáticos como aqueles com congestionamento, acidentes, etc. graças a sua atualização em tempo real. 
 
Citamobi, Cadê o Ônibus?, etc. são apps que não te deixam esperando muito tempo na parada de ônibus. Quem usa transportes públicos, tem como rastrear os veículos, sua localização e saber a que horas ele vai passar pelo local em que se está. 
 

4- Serviços de Streaming

Os dias de ter que sintonizar em um determinado horário ou comprar DVDs para assistir seus programas e filmes favoritos desapareceram. O streaming é uma tecnologia de TV interativa que permite visualizar programas em tempo real ou baixá-los para assistir on demand. 
 
O Streaming torna possível acompanhar tudo: notícias, filmes clássicos, programas de TV, etc. em no tempo desejado pelo usuário e em qualquer dispositivo com capacidade de conexão à internet. 
 
O mais conhecido desses serviços de transmissão é o Netflix e o PopCorn Time. Ele oferece vários filmes e programação original como Orange Is the New Black e House of Cards.
 

5 - Aplicativos de Banco e de dinheiro 

Com a velocidade que a tecnologia se desenvolveu, até os bancos, as instituições financeiras mais antigas do mundo, mudaram e se tornaram mais flexíveis e ágeis. Hoje, com os aplicativos e serviços de pagamento de contas on-line, podemos realizar transações bancárias sem sair do conforto no nosso sofá. Também não precisamos mais enfrentar filas intermináveis durante o horário do almoço ou nos sábados de manhã para retirar dinheiro pois já existem aplicativos que permitem o pagamento de serviços com cartão de crédito sem precisar estar com o cartão em mãos. 
 
O PicPay e KiiK  permitem pagar contas em vários estabelecimentos físicos usando o celular. O processo é simples: a pessoa pede a fatura a um funcionário, verifica o QR Code e vê na tela do aparelho o que foi consumido. Para concluir a operação, basta digitar o código de segurança do cartão de crédito previamente cadastrado. 
 
 
Além da “carteira virtual”, podemos fazer depósitos instantaneamente, configurar pagamentos periódicos de contas, realizar transferência de saldos de cartões de crédito ou mesmo efetuar transações de investimento. Tudo isso usando o aplicativo do banco. 
 

Lembrou-se de outros exemplos de inovações tecnológicas?  Deixe um comentário e compartilhe com a gente a sua opinião!

 

 

Comentários

Notícias


Saiba como você pode ser um monitor

Entenda o que é a monitoria e conheça seus benefícios
Por: Henrique Nascimento 14/10/2017 - 12:10 - Atualizado em: 16/10/2017 - 09:00
Saiba como você pode ser um monitor/Freepik
Adquirir novos conhecimentos é algo que pode ir além da sala

Entre as atividades extraclasse que podem ser feitas no Ensino Superior encontra-se a monitoria. Regulamentada pela legislação das diretrizes e bases da educação nacional, a atividade tem o objetivo de incentivar a troca de conhecimentos entre alunos, possibilitando também a experiência do discente a atuação junto ao professor no ensino da disciplina. Confira quais as principais atribuições, os benefícios e saiba como se tornar o monitor!

O que faz um monitor?

Os alunos que passam por um processo de seleção de monitoria, tópico que trataremos mais à frente, assumem a função de monitor sob supervisão de um professor. É de responsabilidade dos monitores auxiliar o professor nas aulas teóricas e práticas, tirar dúvidas dos estudantes, e ajudar na realização de listas de exercícios passados pelo professor através de grupos de estudos. Os monitores também podem auxiliar na correção de provas e precisam entregar relatórios de suas atividades ao professor orientador nas datas estipuladas.

Quais os benefícios da monitoria?

A monitoria possibilita ao aluno uma maior integração com estudantes de outros períodos ou cursos diferentes. Para os que desejam ser professores universitários, é através dessa atividade que podem ter a primeira experiência com o ensino e acrescentar a atividade ao currículo. As horas dedicadas para realização da monitoria também podem ser descontadas da carga horária extra que o discente precisa cumprir. Além de possibilitar, em alguns casos, bolsas de auxílio de custo.

Como ser um monitor?

É preciso cumprir alguns pré-requisitos para se tornar um monitor. O mais comum é passar por um processo seletivo composto por análise do histórico escolar, seguido de uma prova e entrevista com o professor orientador. É importante que o estudante tenha obtido bons resultados na disciplina em que deseja ser monitor para ser aprovado na primeira fase do processo. Ao fim da seleção, é a hora de arregaçar as mangas e cumprir com as obrigações e horários da atividade.

Monitoria voluntária ou bolsa de monitoria?

Existe a possibilidade de algumas monitorias oferecem bolsa de auxílio de custo que ajudam o estudante a ter alguma renda. No entanto, não são todas as vagas que possibilitam a bolsa. Algumas atividades de monitoria são feitas para serem exercidas de forma voluntária, o que não representa algo ruim. Apesar de não ter o auxílio financeiro, a atividade continua possibilitando todos os benefícios citados anteriormente na matéria, sendo um diferencial no currículo de quem a executa.

Tem alguma experiência de monitoria para relatar? Deseja ser monitor? Conte nos comentários!

Comentários

Notícias


Aprenda como funciona e como fazer para ser monitor nas graduações de Saúde

Veja o que monitoria possibilita ao aluno
Por: Bruna Sarga 11/10/2017 - 14:59 - Atualizado em: 23/10/2017 - 09:37
Aprenda como funciona e como fazer para ser monitor nas graduações de Saúde
Aprenda como funciona e como fazer para ser monitor nas graduações de Saúde
O Programa de Monitoria é uma atividade extracurricular, em auxílio aos estudantes, que objetiva minimizar as dificuldades que podem ocorrer no processo de aprendizagem durante o curso de graduação. O programa também é uma oportunidade para quem pretende seguir carreira acadêmica pois, sob a supervisão de um professor, o aluno monitor vivencia a iniciação à prática docente. Confira como funciona a monitoria nos cursos da área de saúde e quais as atividades realizadas por um monitor. 
 

Monitoria na área de Saúde

Cursos como Enfermagem, Medicina, Radiologia, Fisioterapia, Nutrição e diversos outros da área de saúde, exigem dos alunos um contato imediato com materiais e equipamentos de laboratório. Também fazem parte do primeiro ano de faculdade disciplinas de Anatomia Humana e Fisiologia. De modo geral, por serem conteúdos que abrangem muita informação minuciosa, sempre há alunos que apresentam, em algum grau, dificuldades no decorrer das aulas. 
 
O monitor reduz as dúvidas dos discentes em relação aos conteúdos teóricos e práticos trabalhados em sala aula, auxilia o professor na correção de provas e também precisa entregar relatórios de suas atividades em datas estipuladas.
 
Por também ser aluno, ele tende a apresentar maior empatia quantos aos problemas enfrentados nos cursos de graduação como, por exemplo, insegurança nas vésperas de avaliações, acúmulo de leituras e trabalhos etc. Nesses momentos, o monitor pode atuar como um mediador e conversar com o professor para ponderar soluções efetivas para a classe. 
 
O ex-monitor do curso de Enfermagem, Diego Arruda, fala  sobre o apoio pedagógico oferecido por essa atividade, “toda aula prática necessita de uma maior atenção e para auxiliar o professor na elevada quantidade de demandas, o monitor ajuda nas atividades e tira dúvidas dos alunos. Ter essa assistência de quem que tem mais domínio do assunto contribui muito no progresso dos outros alunos”.   
 

Enriquecimento intelectual e curricular

Ademais, o monitor vivencia em seu trabalho metodologias e práticas pedagógicas que atribuem competências académicas como a transmissão de conhecimentos. “Sempre gostei de ensinar, além de absorver melhor o assunto era ótimo saber que estava contribuindo na formação de alguém” conta Diego. 
Por ser uma atividade extracurricular, a carga horária cumprida pelos monitores pode ser usada como horas extras que o discente precisa cumprir para concluir o curso de graduação. 
 

Como participar do Programa de Monitoria?

O aluno interessado participa de um processo seletivo no qual as etapas dispõem de análise do histórico escolar, provas e entrevistas. Há programas que oferecem Bolsa Monitoria, uma quantia em dinheiro que pode ser abatido no valor da mensalidade ou recebido diretamente pelo aluno durante o período em que estiver atuando como monitor. 
 
 

Ficou interessado em ser um monitor? Conte nos comentários!

 

Comentários

Notícias


Indicadores na qualidade da água: um bem necessário

Pesquisas ajudam a monitorar padrões apropriados para o consumo humano
Por: Katarina Bandeira 10/10/2017 - 10:25
Pesquisas servem para servem para alertar o público sobre as condições ambientais
Pesquisas servem para servem para alertar o público sobre as condições ambientais

Água é um dos bens mais preciosos para a manutenção da vida no planeta. Na nossa sociedade, além de servir para saciar a sede, ela também é usada na alimentação (cozinhando alimentos), na higiene básica e em tarefas simples, como lavar as roupas, os pratos, os animais de estimação, etc. Porém, com o constante aumento da população mundial, a qualidade da água que encontramos no meio ambiente tem ficado cada vez mais comprometida. Para ajudar a fiscalizar os níveis ideais para o consumo existem profissionais que realizam pesquisas específicas, que servem para alertar o público sobre as condições ambientais de determinadas regiões.

 

Água de beber e água de banhar

A engenheira agrônoma Regina de Oliveira Moraes orienta acadêmicos no mestrado em Análise Geoambiental, da Universidade de Guarulhos (UNG), a respeito da qualidade da água. Ela atenta para a importância de pesquisas nas águas brasileiras como parâmetro para a melhoria de vida nas comunidades. “O nosso mestrado trabalha com qualidade de água das bacias e dos poços hídricos. Usamos a água como parâmetro para saber se há coleta de lixo, tratamento de esgoto ou algum tipo de contaminação nos locais avaliados”, explica a engenheira.

Ela e outros profissionais seguem a Portaria de número 2.914, de dezembro de 2011, do Ministério da Saúde, que estabelece o padrão de potabilidade, além de procedimentos de controle e de vigilância da água para consumo humano. Essa fiscalização inclui tanto o líquido que ingerimos, quanto o que sai das torneiras domésticas, utilizado em tarefas do dia a dia.

Indicadores de qualidade

Para cumprir os padrões exigidos pelo Ministério da Saúde são necessárias algumas avaliações que medem elementos físicos, químicos e biológicos. “São quase 70 ensaios diferentes para a gente considerar a água potável. Em Guarulhos, nós fazemos nove testes básicos para saber o que há com a água, inclusive em lagos, represas e até na água do mar”, conta Regina.

Ela aponta que a alteração em alguns indicadores pode ser sinal de alerta para a população. “A baixa concentração de oxigênio e a condutividade elétrica, por exemplo, estão assimiladas a esgoto na água”, explica, “Se a pessoa entrar em contato com líquido contaminado pode ter desde algum problema na pele, como um fungo, ou em caso de ingestão, diarreia, vômito e até leishmaniose”.

A engenheira também reforça que não é apenas o esgoto doméstico que pode causar problemas de saúde. “Caso os resíduos de alguma indústria contaminem as águas, elas podem apresentar algum metal pesado e isso pode causar problemas no fígado ou nos rins. Tem que tomar cuidado” alerta.

Uma pesquisa contínua

Apesar de ser um trabalho feito, na maioria das vezes, em sintonia com órgãos públicos, as análises de água também podem ser encomendadas por instituições privadas. Diversas empresas e até mesmo condomínios residenciais costumam pedir pesquisas como uma forma de valorizar seus espaços, atestando a qualidade da água que fornecem para possíveis clientes em potencial. Mas engana-se quem pensa que é fácil realizar a manutenção desse tipo de estudo.

Para ter os dados sempre atualizados, principalmente em relação a novos contaminantes e hormônios, a cada cinco anos é feita uma rechecagem da legislação. “Quando sai a nova lista já existe um grupo de pessoas estudando para fazer a nova adaptação.  É uma coisa que não pode ficar muito tempo parada”, finaliza a engenheira.

 

E você, sabia sobre o estudo da qualidade da água? Conta para a gente nos comentários!

 

Comentários

Notícias


Monitoria: entenda o que é e saiba como se tornar um monitor

A monitoria é uma prática muito incentivada no Ensino Superior
Por: Henrique Nascimento 09/10/2017 - 09:52 - Atualizado em: 16/10/2017 - 08:39
Monitoria: entenda o que é saiba como se tornar um monitor/Freepik
Orientar outros pode ser uma ótima forma de aprendizado

Entre as atividades extraclasse que podem ser feitas no Ensino Superior encontra-se a monitoria. Regulamentada pela legislação das diretrizes e bases da educação nacional, a atividade tem o objetivo de incentivar a troca de conhecimentos entre alunos, possibilitando também a experiência do discente a atuação junto ao professor no ensino da disciplina. Confira quais as principais atribuições, os benefícios e saiba como se tornar o monitor!

O que faz um monitor?

Os alunos que passam por um processo de seleção de monitoria, tópico que trataremos mais à frente, assumem a função de monitor sob supervisão de um professor. É de responsabilidade dos monitores auxiliar o professor nas aulas teóricas e práticas, tirar dúvidas dos estudantes, e ajudar na realização de listas de exercícios passados pelo professor através de grupos de estudos. Os monitores também podem auxiliar na correção de provas e precisam entregar relatórios de suas atividades ao professor orientador nas datas estipuladas.

Quais os benefícios da monitoria?

A monitoria possibilita ao aluno uma maior integração com estudantes de outros períodos ou cursos diferentes. Para os que desejam ser professores universitários, é através dessa atividade que podem ter a primeira experiência com o ensino e acrescentar a atividade ao currículo. As horas dedicadas para realização da monitoria também podem ser descontadas da carga horária extra que o discente precisa cumprir. Além de possibilitar, em alguns casos, bolsas de auxílio de custo.

Como ser um monitor?

É preciso cumprir alguns pré-requisitos para se tornar um monitor. O mais comum é passar por um processo seletivo composto por análise do histórico escolar, seguido de uma prova e entrevista com o professor orientador. É importante que o estudante tenha obtido bons resultados na disciplina em que deseja ser monitor para ser aprovado na primeira fase do processo. Ao fim da seleção, é a hora de arregaçar as mangas e cumprir com as obrigações e horários da atividade.

Monitoria voluntária ou bolsa de monitoria?

Existe a possibilidade de algumas monitorias oferecem bolsa de auxílio de custo que ajudam o estudante a ter alguma renda. No entanto, não são todas as vagas que possibilitam a bolsa. Algumas atividades de monitoria são feitas para serem exercidas de forma voluntária, o que não representa algo ruim. Apesar de não ter o auxílio financeiro, a atividade continua possibilitando todos os benefícios citados anteriormente na matéria, sendo um diferencial no currículo de quem a executa.

Tem alguma experiência de monitoria para relatar? Deseja ser monitor? Conte nos comentários!

Comentários

Notícias


Conheça a atuação do técnico em Enfermagem

Por: Henrique Nascimento 06/10/2017 - 10:50 - Atualizado em: 06/10/2017 - 13:00
Conheça a atuação do técnico em Enfermagem/Freepik
O técnico em Enfermagem pode trabalhar em diversos espaços de saúde

Instituições de saúde contam com equipes de Enfermagem que são compostas pelo enfermeiro, o técnico em Enfermagem e o auxiliar de Enfermagem. O trabalho feito em conjunto é que traz bons resultados para esse importante setor. Cada um desses cargos possui suas particularidades. Quem deseja seguir a área pode optar por uma das três profissões. O técnico em Enfermagem é uma das mais populares por apresentar maior empregabilidade e uma formação rápida.

Entenda quais são as diferenças entre esses três profissionais e saiba como se tornar um técnico em Enfermagem.

Qual a diferença entre o técnico em Enfermagem e as demais funções?

A formação é a primeira diferença entre esses profissionais. O auxiliar de enfermagem possui nível de escolaridade fundamental ou médio, o técnico também tem nível médio, já o enfermeiro apresenta nível superior. As atribuições de cada um também são distintas. De acordo com a lei 7.498 que regulamenta as profissões de Enfermagem, entre outras coisas, as distinções estão no grau de complexibilidade de cada função.

O auxiliar de Enfermagem atua em casos com pacientes de menor complexidade. Já o técnico em Enfermagem vai trabalhar acompanhando o enfermeiro e ajudando no planejamento das atividades de Enfermagem, podendo atender pacientes de alta e média complexidade. O enfermeiro é o que apresenta uma quantidade maior de atribuições. Além de atender os pacientes de qualquer nível de problemas de saúde, ele também é responsável pelo planejamento dos atendimentos, do treinamento e organização das equipes.

Vantagens em ser um técnico em Enfermagem

O curso técnico em Enfermagem se destaca por apresentar alto grau de empregabilidade, uma vez que o profissional pode atuar em hospitais, clínicas, ambulatórios e outros espaços de saúde. Mesmo no ambiente hospitalar é possível pensar em diferentes setores que o técnico em Enfermagem é necessário, indo das unidades de tratamento intensivo (UTIs) até o centro cirúrgico. Ainda existem oportunidades de emprego como home care, atendimento em domicílio, nesse caso o técnico pode trabalhar sem a presença de um enfermeiro.

O que é preciso para se tornar um técnico em Enfermagem?

Para ser um técnico em Enfermagem é preciso fazer um curso técnico na área em um instituição reconhecida pelo MEC. O aluno precisa ter no mínimo 18 anos e possuir o Ensino Médio completo. O curso tem duração de aproximadamente dois anos  e a grade curricular apresenta disciplinas que tratam de anatomia, enfermagem, farmacologia e atendimento humanizado.

É necessário fazer o curso técnico antes da graduação em Enfermagem ou Medicina?

Os cursos técnicos tem como objetivo preparar o estudante para o mercado de trabalho em um curto período de tempo. Quem conclui esse tipo de curso recebe o diploma que equivale ao nível técnico. Apesar não ser uma graduação, o ensino técnico não representa uma etapa que antecede o Ensino Superior. As duas modalidades de ensino são diferentes, possuem objetivos diferentes, o que faz com que o curso técnico não seja um pré-requisito para cursar a graduação.

Tem interesse em ser um técnico em Enfermagem? Conheça o curso da UNG!

Comentários

Notícias


Saiba o que fazer ao encontrar um animal abandonado

Alguns cuidados são necessários ao tratar de um animal recém conhecido
Por: Henrique Nascimento 05/10/2017 - 10:20 - Atualizado em: 05/10/2017 - 12:22
Saiba o que fazer quando encontrar um animal abandonado/Pixabay
O resgate de animas deve ser feito com responsabilidade

No fim de setembro, várias pessoas ficaram chocadas ao assistir pelas redes sociais o resgate, organizado pela ONG da ativista Luisa Mell, de 135 cachorros que sofriam maus-tratos. A ação ocorreu em um canil certificado em Osasco, São Paulo, e mostrou a crueldade que os cães que eram destinados a reprodução e venda eram submetidos. Entre outras coisas, as imagens apresentavam vários cachorros mortos em sacos plásticos de lixo. Os cães resgatados agora estão sendo cuidados no Instituto Luisa Mell de Assistência aos Animais. Inclusive, é possível fazer doações para ajudar no tratamento deles.

Você pode não ter condições de abrigar e cuidar de 135 cachorros, mas pode fazer a diferença cuidando de pelo menos um dos 30 milhões de animais abandonados contablizados pela OMS. Veja quais são os cuidados necessários na aproximação e como proceder após resgatar o animal.

Como se aproximar?

Animais de rua estão geralmente habituados a serem maltratados. Por isso, o contato direto pode ser perigoso, uma vez que eles costumam ficar na defensiva. O indicado, após identificar um animal que pode ser resgatado das ruas é levar um pouco de ração, colocar o alimento para ele em uma distância considerável e ir aproximando a ração de você conforme ele for comendo mais. Após perceber que ele já aceita se aproximar é a hora de tentar calmamente um contato físico, até conseguir colocar uma coleira ou outro item que auxilie no transporte do animal.

Devo levar ao veterinário?

É de extrema importância que após o resgate o animal possa ser levado ao veterinário para que seja verificado seu estado de saúde. O profissional também poderá aplicar as medicações necessárias, vermifugando e dando as vacinas. Embora consultas veterinárias possam ter um alto custo, existem lugares que fazem atendimentos com preços mais acessíveis.

A Clínica-Escola de Medicina Veterinária da UNG oferece consultas a preços inferiores aos de outras clínicas particulares e todo valor é revertido na compra de materiais os atendimentos. O agendamento de consultas na área clínica ou cirúrgica pode ser feito pelo telefone (11) 2423-7601. São atendidos animais domésticos e de grande ou médio porte. O serviço é aberto para toda a sociedade.

Oferecendo um lar temporário

Se você resolveu cuidar de um animal abandonado, é importante saber que isso demandará parte do seu tempo e do seu dinheiro, mas compensará ao ver o animal bem tratado e feliz. Após os primeiros cuidados no veterinário, é preciso dar abrigo temporário ao pet, caso deseje depois disponibilizá-lo para adoção. Isso precisa ser feito em sua casa, abrigos de animais costumam estar sempre lotados.

Assim que o animal chegar, disponibilize um cômodo da casa para ele ficar isolado com água e comida. Se possuir outros animais é importante deixar o novo inicialmente separado deles, isso evita, se ele possuir doenças, que os demais sejam contaminados.

Como buscar uma adoção responsável?

Depois de esperar um dias ou semanas, garantindo que o animal esteja bem e percebendo qual o seu comportamento, é a hora de procurar alguém que possa adotá-lo ou resolver ficar com ele definitivamente. A busca por uma adoção responsável pode ser feita através da divulgação de informações, dados sobre o comportamento do animal e de sua saúde junto à boas fotos dele. Isso pode ser exposto nas redes sociais ou em qualquer outro espaço, além daquele boca-a-boca que ainda é uma das formas mais eficientes de espalhar informações.

Caso haja algum interessado em adotá-lo, preocupe-se em saber quais as condições de moradia do dele e se todos os membros da casa desejam receber o animal. Esteja atento a pessoas que adotam animais para usá-los em rinhas, promoção de brigas, para evitar que sofram maus-tratos. Com tudo verificado é hora de dar ao bichinho um novo lar, leve-o até o local em que ele irá ficar, esse tipo de ação pode evitar um novo abandono.

A ajuda não precisa ser grandiosa para ser efetiva, ela pode começar com gestos pequenos que juntos representam algo maior. Resgate um animal de rua assim que possível e não esqueça de contar essa experiência aqui nos comentários. Caso já tenha feito, conte como foi

Comentários

Notícias


3 fatos sobre o Mestrado Profissional em Ortodontia

Por: Henrique Nascimento 03/10/2017 - 12:38 - Atualizado em: 03/10/2017 - 12:38
3 fatos sobre o Mestrado Profissional em Ortodontia

Assim como na Medicina, a área de Odontologia possui suas diversas especializações, uma delas é em Ortodontia. “Muitas vezes, as pessoas apresentam desvios de oclusão, ou seja, alterações de mordida, que precisam ser tratadas. Por isso, a Ortodontia, uma especialidade da Odontologia, é a ciência que estuda estes desvios (as más oclusões) e como tratá-los”, explica Murilo Feres, coordenador do curso de Odontologia da UNG. Para trabalhar na área é preciso ter cursado a graduação em Odontologia e ter especialização em Ortodontia.

Um dos cursos de pós-graduação que podem ser feitos é o Mestrado Profissional em Ortodontia. Nele é possível seguir diferentes linhas de pesquisas que contribuirão para o sucesso profissional. Confira três fatos sobre o curso!

1 Mestrado profissional: dupla atuação

Entre os tipos de pós-graduação, o Mestrado Profissional é diferente do Mestrado Acadêmico. O acadêmico está voltado para o desenvolvimento de produção científica, já “o Mestrado Profissional (que é o caso do nosso Programa) [...] também visa a habilitação do estudante para as práticas clínicas, ou seja, para o atendimento especializado em Ortodontia. Em suma, o nosso Programa de Mestrado Profissional objetiva formar um clínico ortodontista com apurado senso crítico”, explicita Murilo. Sendo assim, o profissional especializado tanto terá seu conhecimento na área de pesquisa quanto na área da prática profissional.

2 Grade curricular atualizada

O curso possui 17 disciplinas obrigatórias e sete optativas. Entre os conteúdos trabalhados está a Biomecânica, o diagnóstico, a docência e outros relacionados a clínica de Ortodontia. Murilo ainda destaca que “além de abordarmos as mais recentes inovações da Ortodontia, dedicamos intensa carga-horária ao atendimento clínico de pacientes ortodônticos, especialmente casos complexos”.

O estudante poderá optar por duas linhas de pesquisa. A primeira é em Diagnóstico e terapia em Ortodontia e Ortopedia Facial, ou seja, diagnóstico e tratamento de más oclusões (mordidas incorretas). A segunda é  a de Biomateriais associados à Ortodontia e Ortopedia Facial, nela serão estudados as propriedades físicas e mecânicas de biomateriais ortodônticos e avaliação de efeitos resultantes de terapias ortodônticas .

3 Corpo docente e cooperações científicas: um diferencial

O curso de especialização ainda possui vínculo de cooperação com instituições internacionais e nacionais. Entre elas encontra-se o Forsyth Institute (Boston, EUA), University of Alberta (Edmonton, Canadá) e a Aarhus University (Aarhus, Dinamarca).  Murilo ainda destaca a competência do corpo docente que possui grande experiência com Ortodontia.

Como se tornar um mestre profissional em Odontologia?

Para cursar o Mestrado Profissional em Odontologia é preciso ter a graduação em Odontologia concluída e passar pelo processo seletivo composto por prova de escrita, prova de conhecimento do idioma estrangeiro, análise do currículo e entrevista. Mais informações sobre o processo de ingresso estão disponíveis no site da UNG.

Quer conhecer mais sobre o Mestrado Profissional em Odontologia? Veja outras informações.

Comentários

Páginas