Clicky

Selecione a cidade
4020-9734

Notícias


5 propagandas que provavelmente marcaram sua geração

De jingles a personagens marcantes, com histórias bem humoradas e emocionantes, relembre as campanhas que conquistaram o coração dos brasileiros vidrados na TV
Rebeca Ângelis Por: 16/10/2018 - 09:00 - Atualizado em: 16/10/2018 - 14:51
5 propagandas que provavelmente marcaram sua geração
5 propagandas que provavelmente marcaram sua geração

Que propaganda é alma do negócio, muita gente já sabe, afinal, sempre existe aquela que deixa sua marca ou valor sentimental. Seja um jingle, personagem ou até mesmo uma imagem irreal que chama a atenção. O fato é que, desde seu início, em meados 1800 - quando a TV ainda nem existia, a propaganda já chamava a atenção do público em cartazes e folhetins. Crescendo concomitante às tecnologias, ela se molda ainda mais nos tempos de hoje, na era da internet. Contando histórias bem humoradas ou fazendo campanhas emocionantes, muitas marcas conquistaram gerações com a publicidade, criando verdadeiros clássicos na história da televisão. No Dia de homenagem ao Profissional da Propaganda, celebrado nesta quarta-feira (17), separamos 5 dessas que marcaram época no Brasil. Relembre!

1- Experimenta!

Tomando para si a velha frase “A voz do povo é a voz de Deus”, a Schin resolveu criar, em 2011, um novo sabor de cerveja. Sua principal estratégia era o convencimento, por meio da propaganda, que exibia vários artistas famosos provando e estimulando que todos experimentasse.O slogan simples, marcado pelo apelo “experimenta”, ficou na cabeça do consumidor brasileiro como sinal de sucesso.

2- Quer pagar quanto?

Se alguém teve dúvidas do poder de um bordão, a Casas Bahia provou que ele realmente pegava. Tudo aconteceu quando o garoto-propaganda da marca, Fabiano Augusto, lançou em 2003, a pergunta aos consumidores sobre todo produto que ofertava da loja: “Quer pagar quanto?”. A insistência e iniciativa em convencer que o local ofertava o preço mais em conta do mercado marcou consumidores do país.

3- Mãe, compra brócolis?

Nem toda criança gosta de comer verduras. Quando falamos de brócolis, então, a situação se torna ainda mais complicada. Mas foi mostrando o contrário que, em 2007, a linha de complemento de vitaminas Sustagen Kids chamou a atenção dos consumidores. A ideia sugeria agregar sabor e nutrientes ao consumo dos pequenos, sem necessariamente ter o consumo direto de verduras.

4- Continue andando

Famosa por grandes propagandas reflexivas, a marca escocesa de Wisky, Johnnie Walker, surpreendeu mais uma vez, em 2007. Sua aposta assertiva foi com um android que desejava ser humano, enquanto que humanos repetiam ações do cotidiano, como robôs. Uma metáfora a respeito do uso do tempo e como as pessoas se tornam máquinas no mundo atual impactou não somente o Brasil, mas o mundo inteiro.

5- O natal vem vindo

Quando se trata de valor sentimental, a marca da Coca-cola leva a sério, durante o período natalino. Trazer a ideia de que o bom velhinho está chegando já passa magia. Mas o papai Noel chega de um jeito diferente: no lugar de um trenó, vem em um caminhão iluminado cheios das bebidas para distribuir na cidade que passa repleta de neve.

Quer saber mais sobre a essência da Publicidade e Propaganda? Faça nosso vestibular!

Comentários

Notícias


Muito mais do que transferir conhecimento

No Dia dos Professores, profissionais de diferentes IES do Grupo Ser Educacional contam sua motivação para a sala de aula
Por: Katarina Bandeira 11/10/2018 - 17:44 - Atualizado em: 15/10/2018 - 10:56

“Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender”, a frase do educador Paulo Freire, uma dos grandes pedagogos brasileiros, é inspiração para professores das mais diversas gerações. Paulo acreditava que em sala de aula, professor e aluno trocam conhecimentos e experiências que vão além da simples transmissão de conhecimento. Desde a mais tenra idade são os professores os instrumentos da educação. Passam por nossa vida em diferentes momentos e, muitas vezes, são responsáveis por nos inspirar nas escolhas profissionais que fazemos. Para celebrar o dia deste profissional tão querido e tão importante, professores de diversas unidades do Grupo Ser Educacional contam porque escolheram a carreira. Confira!

Comentários

Notícias


Quer entrar no clima de Dia das Crianças? Confira nossa lista!

Entre clássicos e lançamentos fizemos uma lista para você aproveitar o feriadão
Por: Katarina Bandeira 11/10/2018 - 12:42
Filmes fazem telespectador voltar à infância. Foto: Freepik
Filmes fazem telespectador voltar à infância. Foto: Freepik

Outubro quando chega parece trazer com ele um sentimento de crescente nostalgia. Basta olhar ao redor. Na internet é possível ver centenas de pessoas postando fotos da infância. Na televisão, uma enxurrada de conteúdo voltado para os pequenos surge a cada comercial e, pessoalmente, a criança interior de alguns de nós se pergunta o que iremos ganhar este ano. Se você também está com saudades daquela época longe dos boletos, da louça para lavar e dos seminários de fim de semestre, nós preparamos uma lista de filmes, entre clássicos e novidades, para você maratonar durante o feriado. Confira!

Peter Pan

A história do menino que não queria crescer ganhou diversas versões nas telonas ao longo dos anos. A mais famosa delas é a animação da Disney (de 1953), que leva o nome do protagonista. Baseado no livro Peter e Wendy, publicado em 1911, Peter Pan, apresenta as aventuras de Wendy e seus irmãos na Terra do Nunca, junto com personagens icônicos como Sininho, os garotos perdidos e o Capitão Gancho.

Toy Story 1,2 3

Da franquia Toy Story é impossível indicar apenas um. As aventuras dos brinquedos de Andy, sempre querendo retornar a sua criança, acompanham a vida do garoto desde a infância até a ida à faculdade (no terceiro filme). Com certeza você vai se emocionar ao rememorar as aventuras de Buzz Lightyear, Xerife Wood, Jessie, Senhor Cabeça de Batata e muitos outros.

Quero ser grande

Um dos clássicos das tardes depois da escola, o filme Quero ser Grande (1988), conta a história do menino Josh Baskin, de 12 anos, que após um desejo se transforma em um homem de 30. No começo, o garoto fica encantado com a  vida adulta, vai para Nova York, começa a trabalhar em uma loja de brinquedos e chega até a ser promovido. Porém, a pressão da vida adulta logo faz com que o protagonista queira voltar a viver como um menino.

A cidade das crianças

Os adultos da pequena Vila de Timpelbach, na França, resolvem pregar uma peça sem seus filhos, a fim de que as crianças comecem a se comportar. Por causa disso, resolvem sumir por um dia inteiro, com esperança de que os pequenos sintam suas faltas. Porém, as coisas acabam não saindo como o planejado quando os adultos são detidos por soldados e as crianças passam a ter o controle da vila.

De repente trinta

“Trinta é a idade do sucesso”. O mantra entoado por Jenna, do filme De Repente 30 (2004), foi provavelmente o mantra de muitos jovenzinhos no início dos anos 2000. Afinal, quem nunca quis se tornar adulto, quando não sabia dos boletos, da louça e da falta de comida na geladeira? O filme fala de como uma menina, cansada das dificuldades da pré-adolescência, se transforma em uma mulher adulta e bem sucedida. Aproveitando a fase adulta Jenna começa a entender que “a idade do sucesso”, às vezes, não é tão glamourosa quanto parece.

Bônus

Viva - a vida é uma festa

Essa animação da Disney (2018) conta a história de Miguel, um menino de 12 anos que sonha em se tornar  um músico famoso. O problema é que sua família não aprova música por causa de um acontecimento do passado. No Dia dos Mortos, Miguel acaba parando em um mundo sobrenatural, onde terá a chance de virar o jogo e desvendar um mistério de mais de 100 anos. O filme surge como um bônus porque consegue transportar o telespectador não apenas para os olhos de uma criança, mas também permite que consiga se conectar com o sentimento de família.

 

Gostou das nossas dicas? Conta para nós que filme marcou a sua infância!

 

Comentários

Notícias


Confira obras que abordam deficiências físicas de forma humana e inspiradora

Fizemos uma lista com filmes que todo estudante de fisioterapia deveria assistir
Por: Katarina Bandeira 11/10/2018 - 11:44 - Atualizado em: 11/10/2018 - 11:45
Obras abordam deficiências físicas de forma humana e inspiradora. Fotos: Divulgação
Obras abordam deficiências físicas de forma humana e inspiradora. Fotos: Divulgação

Escolher cursar Fisioterapia é dedicar-se a cuidar frequentemente de pacientes, muitas vezes, em estado de constante reabilitação. É papel do fisioterapeuta tratar e prevenir doenças e lesões, utilizando-se de técnicas e equipamentos feitos para cada situação. Sejam causadas por acidentes ou por condições genéticas, é papel do profissional fazer com que os pacientes mantenham ou recuperem sua capacidade funcional. No cinema, existem diversos filmes que abordam a vida de pessoas com deficiências motoras, mostrando que, apesar das adversidades é possível ter uma vida normal. Confira uma lista com 5 filmes para se inspirar e seguir a carreira de fisioterapeuta!

Frida (2002)

A obra é inspirada na vida de Frida Kahlo (interpretada por Salma Hayek), uma das principais artistas mexicanas de todos os tempos. Exímia pintora, ela tem desde a juventude, até a maturidade e seu agitado casamento com Diego Rivera (Alfred Molina), explorados no filme. Também é mostrada sua superação pessoal, uma vez que Frida contraiu poliomielite quando criança e, anos mais tarde (em 1925), sofreu um acidente obrigando-a fazer 35 cirurgias, por causa de fraturas. Foi justamente no período em que ficou presa à sua cama que a artista começou a pintar retratando sua vida e seus sentimentos.

Os melhores dias de nossas vidas (2004)

Michael Connolly (Steven Robertson) é um jovem de 24 anos com paralisia cerebral. Residente em um lar para deficientes, sua vida muda ao conhecer Rory O'Shea (James McAvoy, outro jovem, que sofre de distrofia muscular de Duchenne. O filme mostra os dois buscando uma independência tanto física quanto emocional para as limitações que suas condições impõem, contra o sistema protetor da sociedade que fazem parte.

O escafandro e a borboleta  (2008)

Após ter um derrame cerebral Jean-Dominique Bauby (Mathieu Amalric), editor da revista Elle, vê sua vida mudar completamente. Ele acorda, vinte dias depois do acidente, com um único movimento, o do olho esquerdo. Se recusando a aceitar seu destino Bauby aprende a se comunicar piscando letras do alfabeto, assim ele consegue formar palavras, frases e até parágrafos. A memória e a imaginação são as forças que ele encontra para continuar vivendo.

Hasta la vista (2012)

O filme tem tudo para ser uma comédia nos moldes comuns, com três jovens saindo em uma viagem para se descobrir e aproveitar a vida de forma boêmia. O detalhe aqui é que, além de ser uma aventura, a viagem também é de superação, já que os três protagonistas são deficientes físicos: um é cego, outro é paraplégico e o terceiro é tetraplégico. Eles dizem para seus pais que vão conhecer as vinícolas da Espanha, mas seguem seu próprio destino de descobertas.

Ferrugem e osso (2012)

O filme conta a história de Stéphanie (Marion Cotillard) e Alain (Matthias Schoenaerts). Após sofrer um acidente de trabalho, a treinadora de baleias Stéphanie precisa amputar as duas pernas. Ela entra em contato com Alain, um homem bruto, que trabalhava como segurança em uma boate e que vive com o filho, de apenas cinco anos. O filme retrata de forma crua das dores e dificuldades da mulher e as diferentes formas de lidar com o acidente que mudou sua vida.

 

Se sentiu inspirado pelos filmes? Faça nosso vestibular para Fisioterapia!

 

Comentários

Notícias


Saiba como tirar a Carteira de Trabalho

Mesmo com conhecimento da importância desse documento, algumas pessoas têm dúvidas, que vão desde o custo até quais documentos devem ser apresentados na hora de solicitá-lo
Por: 09/10/2018 - 09:50
Confira as informações para tirar a Carteira de Trabalho
Foto: RafaelNedermeyer/FotosPúblicas

*Por Elaine Guimarães

Antes de iniciar a busca pelo tão  desejado primeiro emprego, é necessário tirar a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS). O documento, responsável pelo registro da vida profissional por meio do regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), garante ao trabalhador direitos trabalhistas – que envolvem aposentadoria, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e seguro desemprego.

Mesmo com conhecimento da importância desse documento, algumas pessoas têm dúvidas, que vão desde o custo até quais documentos devem ser apresentados na hora de solicitá-lo. Confira as informações para tirar a Carteira de Trabalho:

Quem pode tirar a CTPS?

​Quais documentos levar (1ª via)?

  • Comprovante de residência com CEP ( ex: conta de água, luz, telefone, gás, etc);
  • Documento de identificação original (ex: RG, CNH);
  • Cadastro de Pessoa Física (CPF);
  • Comprovação de estado civil – Solteiros: Certidão de Nascimento / Casados: Certidão de Casamento – com averbação, se for o caso (se separado, divorciado ou viúvo).
  • Foto 3X4 (Caso não seja possível emitir a carteira informatizada)

​Emissão de 2ª via (documentos exigidos)

  • Comprovante de residência com CEP ( ex: conta de água, luz, telefone, gás, etc);
  • Cadastro de Pessoa Física (CPF);
  • Comprovação de estado civil – Solteiros: Certidão de Nascimento / Casados: Certidão de Casamento – com averbação, se for o caso (se separado, divorciado ou viúvo);
  • Documento que comprove o número da via anterior;
  • Boletim de ocorrência (nos casos de 2ª via por furto, roubo, perda ou extravio);
  • CTPS inutilizada/danificada (nos casos de 2ª via por inutilização);

​Onde tirar a Carteira de Trabalho?

​Quanto custa?

A emissão da carteira de trabalho é gratuita

Em quanto tempo a CTPS fica pronta?

Uma das principais dúvidas na hora de solicitar a Carteira de Trabalho é com relação ao tempo da entrega. Esse prazo varia de acordo com o Estado ou região. Há locais onde a entrega é imediata, mas, em outros, o solicitante deve retornar dentro do prazo estipulado munido de protocolo e documento de identidade.

Comentários

Notícias


Libras: a palavra está nas mãos

Linguagem de sinais garante a inclusão de pessoas com deficiências auditivas em diferentes espaços
Por: Katarina Bandeira 02/10/2018 - 08:41 - Atualizado em: 02/10/2018 - 08:42

Desde os primeiros segundos de vida emitimos e ouvimos sons. O choro do bebê ao nascer, as primeiras palavras, as músicas de ninar, os desenhos na televisão, a voz dos nossos entes queridos. Por meio deles surgem os significados de tudo o que nos rodeia. Aprendemos com os sons a dizer o que queremos, vemos e não estamos interessados. Porém, nem todo mundo tem o privilégio de conhecer as palavras da mesma forma que aqueles que conseguem escutar. De acordo com o Ministério da Educação, no Censo Escolar de 2016, o Brasil registrou, na educação básica, 21,9 mil estudantes surdos, 32 mil com deficiência auditiva e 328 alunos com surdocegueira.

Libras não é mímica

Segunda língua oficial do país desde 2012, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) é essencial para a inclusão de  pessoas com deficiências auditivas. A falta de intérpretes para atividades cotidianas, porém, é uma das dificuldades encontradas pela comunidade surda. Para a professora Danielle Fernanda Leal a linguagem de sinais deveria ser obrigatória em qualquer profissão. “Em qualquer carreira que você escolha seguir você pode, um dia, vir a ter que lidar com um deficiente auditivo. Então, como é que você vai se comunicar com esse surdo de maneira clara se você não souber Libras?”, questiona a professora.

E não vale confundir Libras com mímica, uma vez que a primeira é um conjuntos de elementos visuais, que encontram e definem relações entre sinais para a criação da imagem mental, enquanto a outra é uma pantomima. “Alguns surdos não são alfabetizados, justamente pela dificuldade de ensino que existe para eles, então nem sempre a escrita vai funcionar. Além disso, a mímica pode ser um tanto confusa para ambos (você e a pessoa surda) e deixar margem para algum mal entendido”, reforça.

Mas então, o que é a linguagem de sinais?

Muito mais do que gestos feitos para indicar objetos e ações, a língua de sinais tem características próprias com aspectos linguísticos como morfologia, sintaxe e pragmática. Ela se diferencia do português, que tem sua sonoridade específica, porque - ao invés de sons - é composta por um conjunto de expressões e movimentos percebidos pela visão.

Apesar disso ela não é universal. Como cada país tem seu idioma, cada comunidade tem sua própria linguagem. No Brasil, a Libras é derivada da Língua de Sinais Francesa (LSF), que chegou ao país por em 1857, por um professor francês, que participou da fundação da primeira escola brasileira para surdos do país. Ao longo dos anos a linguagem foi adaptada e fundida à língua nacional com sinais já utilizados informalmente pelos brasileiros.

Todos estão surdos

Mesmo com o aumento de políticas inclusivas para surdos, como a adesão de disciplinas - mesmo que eletivas - de libras em cursos superiores e a obrigatoriedade da matrícula em escolas de educação básica, muitos ainda sofrem com a falta de aprendizado e o silêncio das mãos. “Um surdo, como qualquer outro ser humano, pode vir a precisar de um atendimento médico ou ir num restaurante e querer pedir um prato e trocar o arroz por macarrão, por exemplo. É muito importante que a gente consiga se comunicar com eles. Imagine se você vivesse num país em que a maioria das pessoas não sabe falar sua língua?”, indaga Danielle.

Ela também conta que, mais do que poder se comunicar com qualquer pessoa, uma das coisas que a fez se interessar em aprender Libras foi a vivência com alunos que tinham deficiência auditiva. “Você se dá conta que os surdos gostam das mesmas coisas que a gente, dançam, namoram, têm uma vida normal, com exceção das dificuldades que eles costumam passar” e reforça que o aprender a linguagem de sinais ajuda a coibir a discriminação.  “Ouvi histórias de uma adolescente que quase apanhou na escola pelo simples fato de ser surda, de um rapaz que vivia em uma família que ninguém sabia falar Libras e que a própria mãe o discriminava ele chamando ele de mudinho. É preciso que essas pessoas consigam se comunicar”, finaliza.

Comentários

Notícias


Saiba o que fazer para prestar primeiros socorros em animais

No Dia do Veterinário aprenda dicas para cuidar dos bichinhos em situações emergenciais
Por: Katarina Bandeira 27/09/2018 - 09:14 - Atualizado em: 27/09/2018 - 09:15
Apesar das dicas serem importantes é crucial levar o pet ao veterinário o mais rápido possível. Foto: Freepik
Apesar das dicas serem importantes é crucial levar o pet ao veterinário o mais rápido possível. Foto: Freepik

Se preocupar com o bem-estar de seu animal de estimação é a premissa básica de quem tem pets. Gasta-se dinheiro com rações super-premium, banho, vacinas, passeios e todo o tipo de objetos que eles possam arranhar ou mastigar. Porém, apesar do zelo ser uma constante, muitas vezes os tutores podem ser surpreendidos por situações como brigas, engasgos e quedas que põe em risco a vida dos animaizinhos. Conversamos com o veterinário Vitor Pereira Rolim, que nos deu algumas sugestões de primeiros socorros, para esses casos.

“As pessoas tendem a querer fazer tudo antes de levar à clínica. Esperar para ver. Isso não é bom. Muitas vezes a recuperação do pet poderia ser muito mais rápida se o dono tivesse levado antes ao profissional. Às vezes a pessoa até fez coisas que foram boas para o animal, mas não é o tratamento correto”, afirma Vitor. O especialista alerta que, apesar das dicas serem importantes, elas só devem ser seguidas caso o tutor não consiga consultar o profissional rapidamente. Por isso, para ajudar você a se preparar para imprevistos de saúde do seu bichinho, conheça quais primeiros cuidados você deve tomar!

Engasgo

Primeiro abra a boca do animal e tente retirar o objeto com a mão, mas sem empurrar - pois isso pode machucá-lo ou fazer com se engasgue ainda mais. “Cuidado ao puxar o objeto para não machucar, mesmo que não seja pontiagudo ele pode cortar alguma coisa durante o trajeto”, afirma. Se cão ou gato tentar morder ou cerrar os dentes dê um tapa nas costas ou entre as omoplatas. Em caso de animais de pequeno e médio porte você pode também tentar virá-los de cabeça para baixo e sacudi-los. A força da gravidade pode ajudar a desengasgar.

Briga

Não adianta tentar entrar no meio de uma briga entre animais ou você pode sair seriamente lesionado. Se os encrenqueiros forem cães (versus cães ou gatos) jogue água para esfriar os ânimos, literalmente. Se for entre gatos basta fazer muito barulho para acalmar os bichanos. “Se você estiver em casa, pode usar um objeto como travesseiros mas cuidado para o animal não se voltar contra você, use travesseiros longos para passar entre os animais”, aconselha o veterinário.

Queda

Quem mora em apartamento ou casa com mais de um andar deve sempre atentar para as janelas. Porém, mesmo que o espaço esteja todo envolvido com telas de proteção, acidentes como quedas podem ocorrer. Caso isso ocorra, Vitor aconselha imobilizar o animal. “Não faça o animal andar, mesmo que o animal tenha (visivelmente) apenas uma fratura, ele pode acabar se apoiando aquela parte  e machucar mais, tente carregá-lo (mesmo sendo grande porte)”.

Também não é indicado mudar o bicho de posição. “No caso de queda muito cuidado quando for pegar o animal, tente pegá-lo sem alterar muito a posição que ele se encontra. Se estiver com muito sangramento, pressione o local para conter a hemorragia e corra para o veterinário”, sugere.

Convulsão

“Para convulsão, o ideal é manter o animal no colo ou no chão e segurá-lo com cuidado para que ele não bata a cabeça ou outra parte do corpo ou até mesmo caia de um local, por exemplo, o sofá”, aconselha. O veterinário explica que muitas vezes a convulsão pode ser reflexo de envenenamento/trauma /choque (hipovolemia, hipoglicemia e etc...), por isso é preciso levar o pet para o profissional o mais rápido possível. “Lá, relate tudo o que você sabe sobre os dias que se passaram antes do quadro”, diz.

Veneno

Nessa situação o ideal é a ida rápida ao veterinário, uma vez que o veneno pode atingir a corrente sanguínea em menos de meia hora. Mas se você quiser agir rapidamente, tente fazer o animal vomitar. Se você tiver certeza do envenenamento coloque água oxigenada em uma seringa e ponha na boca do animal, mas faça isso o mínimo de vezes possível. Se você não tiver certeza do tempo em que o pet ingeriu o veneno também é aconselhado misturar carvão ativado (que não é o mineral) na água mineral, até formar uma pasta e dar para o bicho.

 

Quer saber mais sobre cuidados com animais? Faça nosso curso de Medicina Veterinária!

 

Comentários

Notícias


Aperte o play: conheça o mundo dos games designers

Se você é daqueles que não perde uma novidade no mundo dos jogos, não pode deixar de conhecer quem fica por trás dessa construção
Rebeca Ângelis Por: 21/09/2018 - 09:37 - Atualizado em: 21/09/2018 - 16:51

Ação, aventura, estratégia, RPG, tabuleiro eletrônico, jogos on-line, casuais, simuladores, corrida ou até esportes. Se você aceitou entrar no jogo, certamente, teve interesse em desvendar como ele se caracteriza e quais suas estratégias. Tudo no intuito de superar os obstáculos que as regras irão te propor. No mundo games, essas são ferramentas cruciais, pois definem se o jogador irá considerar ou não tal opção como atrativa para seu entretenimento.

Cada vez mais dinâmico, divertido e criativo, essas composições se interligam no intuito de propor a quem vai jogar o desejo que querer permanecer ali e se concentrar em seu objetivo: vencer! Mas você já parou para pensar em quem fica por trás de toda essa estrutura que te faz mergulhar e até acreditar em um outro mundo?

Se você é daqueles que não perde uma novidade no mundo dos jogos, não pode deixar de conhecer quem fica por trás dessa construção. Para  te ajudar a entender sobre o assunto, “aperte o play” e entenda.

Conheça o jogo

Ser projetista de jogos ou game designer implica diretamente na coordenação e planejamento de construção de um jogo. O termo, normalmente, se refere a uma pessoa que projeta jogos para computador, video games ou até jogos convencionais.

No início da história dos  jogos, os designers de games eram muitas vezes o programador principal ou o único programador para um jogo. Mais tarde, à medida que essa interação tornou-se mais complexa, os programadores viram a necessidade de um criador de design específico para os jogos. Foi então que a nova função passou a se firmar no mercado.

Apesar de ter seu lugar separado das demais funções, a área, por sua vez, também integra a multidisciplinaridade. Uma vez que a construção de jogos requer subsídios de diversas áreas como game art (responsável por toda criação de arte, design e efeitos visuais), game sound (responsável pela criação de sons e efeitos sonoros) e game programming (responsável pela implementação do jogos, das regras, da jogabilidade).

Regra principal

Para entender sobre esta área, é preciso se atentar a um regra crucial: um profissional game designer é diferente de um gerente/ líder de uma equipe de desenvolvimento de jogos ou designer gráfico. Muitos confundem quando equipes muito pequenas ou quando o próprio game designer trabalha sozinho como desenvolvedor e também desempenha outras funções na arte e na programação.

O produtor de jogos Danilo Freire, da Gorlami Games, explica que muitos ainda confundem com a função de design. Mas na indústria de jogos, a área específica de game arts é que é direcionada para produção de artes,ilustrações ou coisas mais técnicas visuais.

Como funciona?

Como em um jogo de vários níveis, o profissional de game design atua como jogador e passa por várias etapas, até conseguir desenvolver toda a estrutura do projeto com êxito. O perfil de um game designer, então, é de um profissional que sabe lidar com conhecimentos multidisciplinares, tem boa comunicação com a equipe e também está constantemente estudando formas de aplicar a arte da melhor forma na história de um jogo.

Isso acontece, desde o planejamento em si até a concepção da arte e da programação de suas mecânicas. Danilo salienta que o principal objetivo da profissional é otimizar o jogo.

“Ele tem que fazer tudo que esteja à disposição dele para tornar o jogo excelente, equilibrado e acessível. Tudo no intuito para que o máximo de pessoas se identifiquem e gostem. É, sobretudo, fazer com se torne uma experiência marcante para o jogador”, endossa.

Quem forma os jogadores?

Quando o jogo envolve os games designers, suas maiores vantagens em seguir carreira na área se dá na capacidade de atuar em diversos tipos de profissões e cargos. Um levantamento da Love Mondays também apontou o salário médio para Game Designer é de R$ 3.933/mensal, podendo se estender a R$ 10.100.

Já uma pesquisa, realizada em 2017, pela consultoria Page Personnel, revelou que busca das empresas brasileiras por profissionais do mercado de games teve um aumento de 60%. Tal aumento superou a indústria do cinema de Hollywood, nos Estados Unidos.

Ficou interessado em desenvolver jogos e ainda não sabe como chegar lá? Insira a ficha e aperte o play!

 

Comentários

Notícias


Qual é seu filme nas Ciências Contábeis?

Confira as mais variadas áreas de atuação deste profissional e descubra qual é a sua
Rebeca Ângelis Por: 21/09/2018 - 09:15
Qual é seu filme nas Ciências Contábeis?
Qual é seu filme nas Ciências Contábeis?
Quem escolhe seguir carreira nas Ciências Contábeis pode cumprir funções como a de economista, líder, investigativo e até mesmo de fiscal. O perfil visionário e a capacidade de solucionar questões financeiras torna o papel do contador importante, trazendo para ele atribuições como de fazer registros contábeis, prestar assessoria, planejar tributos e, para a alegria de muitos, declarar imposto de renda.
Se você pretende entrar na área, já estuda o curso ou até já atua no mercado, se liga na nossa lista! Separamos quatro filmes com características (um tanto peculiares) que definem o perfil de cada contador em sua atuação. Não deixe de assistir e contar para a gente com qual você se identifica. Confira!
 
1- Trabalho interno 
Didática, a história  visa abordar o sistema de corrupção gerador de crise econômica, durante 2007 a 2012, nos Estados Unidos.Tirando como exemplo o cenário que arruinou a Islândia, o documentário  reflete sobre o problema a nível global, demonstrando a importância dos profissionais que lidam com setores sensíveis da economia.

O filme é indicado para quem vai trabalhar desempenhando atividades em áreas como finanças, tributos e análise financeira. Seu enredo exibe de perto como funciona rotina de trabalho em uma instituição financeira e o desempenho das atividades.

2-Enron — Os mais espertos da sala

Se você pretende trabalhar na área de perícia contábil, não pode deixar de incluir na sua lista o filme ‘Enron- Os mais espertos da sala’. O documentário faz uma reflexão sobre a importância de um contador ser um profissional honesto e organizado.A narrativa fala sobre um escândalo real que tomou grandes proporções nos EUA. O enredo envolve uma companhia energética do país que declarou números que não batiam com a realidade e demonstrações financeiras. Nesse contexto, o perito contábil atua no intuito de comprovar o desvio ou má utilização de recursos financeiros por empresas ou órgãos públicos.

3-Margin Call — O Dia Antes do Fim

Se você tem o perfil de um auditor contábil, não esquece de arrumar um tempo do seu dia para assistir ‘Margin Call — O Dia Antes do Fim’. Gravado em 2011, o filme é voltado para os contadores que analisam finanças de uma corretora imobiliária (setor mais atingido pela bolha econômica e crise financeira dos Estados Unidos após o crash da bolsa norte-americana em 2008) verificando registros, balancetes e identificar falhas na gestão. A história retrata uma situação real. Nela, é possível ver como alguns profissionais da corretora tiveram que lidar com informações sigilosas e de alto risco — o quanto o contador precisa ser uma pessoa séria e responsável.

4- Até que a sorte nos separe

No longa brasileiro, um casal ganha na loteria e promete um ao outro não deixar que “o dinheiro suba à cabeça”. Com a conta recheada,  porém, eles não conseguem manter uma vida equilibrada e, em pouco tempo, perdem tudo.

Garantindo boas risadas, a nossa última dica é para quem se identifica com a área de analista financeiro. Seu contexto se baseia em levar a importância de saber lidar com o dinheiro e aprender a investí-lo de maneira inteligente e estratégica. Isso porque, os personagens não sabem lidar com as extravagâncias e acabam excedendo na hora dos gastos.

Na prática, um contador financeiro  se destaca nesse desempenho, visando manter o equilíbrio de todo o orçamento, seja ele pessoal ou, na maioria das vezes, de empresa. É imprescindível na hora da  tomada de decisões assertivas em relação a empréstimos, financiamentos bancários e compras de outros negócios.

E aí, qual desses combina mais com seu perfil? Ainda não pertence a área, mas ficou com interesse? Se inscreva no nosso vestibular!

Comentários

Notícias


Cantar ou não cantar, eis a questão

No Dia Nacional do Teatro separamos cinco musicais nacionais que você não pode perder!
Por: Katarina Bandeira 19/09/2018 - 09:03
Teatro musical se tornou um dos gêneros mais queridos entre artistas e público. Foto: Freepik
Teatro musical se tornou um dos gêneros mais queridos entre artistas e público. Foto: Freepik

Música, dança e canções para representar cada mudança na vida dos personagens. Assim é construída a base de um dos gêneros do teatro mais queridos entre artistas e público: o Musical. Nascidas no final do século XIX, na Inglaterra, as peças musicais têm como base uma narrativa apoiada em músicas que podem tanto acompanhar os diálogos em cena, como ser o próprio diálogo, além de integrar dezenas (e, às vezes, inesquecíveis), coreografias.

Apesar de ter aparecido pela primeira vez em terras européias, a popularização do gênero veio ter seu júbilo nos Estados Unidos, no início do século XX. Porém, dessa vez não vamos falar das icônicas peças da Broadway, complexo de teatros considerados de mais alto nível artístico, em Nova York, mas sim de representantes do estilo aqui, no Brasil. Para comemorar o Dia Nacional do Teatro separamos cinco musicais para você curtir. Aproveite!

Zeca Pagodinho, uma história de amor ao Samba

Que Jessé Gomes da Silva Filho, vulgo Zeca Pagodinho, é um dos maiores nomes do samba, ninguém duvida. Para eternizar a história do homem conhecido não apenas por suas canções, mas também por sua simplicidade, o musical busca retratar a vida do cantor desde a juventude, até a fase mais madura. Tudo isso envolto em muita música. O espetáculo fica em cartaz no Teatro Procópio Ferreira, em São Paulo, até 29 de outubro.

Gonzaguinha: o eterno

Filho do Rei do Baião, Gonzaguinha foi um célebre cantor e compositor brasileiro que atuou ativamente durante a Ditadura Militar. O musical conta a história do artista, que iniciou sua carreira na década de 1960, com composições em xote, samba, baião, entre outros. No palco, nove artistas entre atores, cantores e instrumentistas, entoam dezesseis músicas do compositor, entre elas “Sangrando”, “O Que é o Que é?”, “Ponto de Interrogação”. O espetáculo fica em cartaz até 23 de setembro, no Teatro João Caetano, no Centro do Rio de Janeiro.

Elza

Dona de uma das vozes mais fortes do Brasil, Elza Soares é uma artista única. Com uma carreira cheia de altos e baixos, a cantora é sinônimo de resistência, luta e reinvenção. Para representá-la sete atrizes dividem diferentes fases de sua vida, marcada por diversas tragédias pessoais como a morte, a violência doméstica e o preconceito. Tudo isso contando de forma alegre a pedido da própria intérprete. A peça está em cartaz até 30 de setembro, no Teatro Riachuelo, Centro do Rio de Janeiro.

Deixa Clarear

Os palcos do Recife também recebem, nos dias 20 e 21 de outubro, um musical sobre um ícone da MPB. Protagonizado pela atriz Clara Santhana, o espetáculo narra a carreira de Clara Nunes, cantora e compositora brasileira, considerada uma das grandes intérpretes da sua geração. No repertório, músicas como O Canto das Três Raças, Na Linha do Mar, Morena de Angola, Um Ser de Luz e O Mar Serenou. Em cartaz no Teatro RioMar, Pina.

O frenético Dancin’ Days

Hora de soltar as asas e as feras, colocar um collant colorido e se jogar no clima frenético do Dancin’ Days. A boate que foi febre nas noites cariocas dos anos de 1970, volta ao Rio de Janeiro para relembrar seus tempos áureos. O musical relembra grandes clássicos da discoteca como ‘You make me feel might real’, ‘We are Family’, ‘Y.M.C.A’ e clássicos das Frenéticas, banda formada na antiga boate. Segue em temporada no Teatro Bradesco Rio, até dia 21 de outubro.

 

E você gosta de musicais? Conta para a gente qual o seu favorito!

 

Comentários

Páginas